Categorias: Notícias

Congresso fixa o ICMS na máxima em meio a crise energética

Medida aprovada pelo congresso mantém as alíquotas de ICMS e altera cálculo, impedindo que os preços caiam conforme a crise energética atual chegue ao fim.

Há uma certa piada, comum no Brasil, nos EUA ou qualquer lugar onde a palavra imposto faça parte do cotidiano que afirma ser a Receita Federal “o único órgão que funciona no país”.

Trata-se de uma medida falsa. Sob todos os aspectos a Receita é um órgão ineficiente.

Seu custo anual gira em torno de R$50 bilhões, quase 6 vezes tudo o que o governo federal investe em infraestrutura. Para além disso, pagar impostos no Brasil requer das empresas gastos de R$180 bilhões por ano, além de 1958 horas.

Em suma, gastamos quase o mesmo paga impostos (3,5% do PIB), do que gastamos em saúde pública, por exemplo (4,3% do PIB).

É um festival de ineficiência que piora na medida em que se percebe que o custo, na prática, recai quase todo sobre as empresas.

Em alguns casos, como no ICMS, existem ainda os modelos de “Substituição Tributária”, na qual um único ente da cadeia de produção de setores como combustíveis ou bebidas, por exemplo, é responsável por calcular e pagar todos os impostos.

A adoção do chamado “ICMS-ST”, foi uma prática comum pelos estados brasileiros durante todo início deste século, pois sem surpresa alguma, elevou a arrecadação, mesmo com a alíquota de ICMS igual.

Em suma, empresas conseguem calcular e cobrar mais facilmente os impostos que o governo, o que eleva a arrecadação.

A adoção do ICMS-ST implica em outro fator: os preços tendem a ser rígidos e pré-definidos.

A exemplo dos nada saudosos anos 80, temos uma espécie de preço tabelado. Governos estaduais definem o preço final de um produto,

Por meio de uma “margem de valor agregado”, e assim cobram o imposto.

Na prática, a concorrência é desestimulada, com todos seguindo a média do mercado, ao invés da eficiência da própria empresa. Os preços terminam maiores e o governo arrecada mais.

Como se as regras fiscais fossem poucas e simples,  Congresso nacional aprovou nesta semana uma nova maneira de calcular o preço dos combustíveis, levando em consideração o preço médio de 2 anos e fixando o ICMS neste valor.

O problema? Estamos em meio a uma crise energética global, e os combustíveis nunca forma tão caros.

Em resumo, o congresso decidiu que o ICMS que vale é o atual, o mais alto da história.

A crise energética global.

Neste momento de retomada econômica pós -vacinação, além de uma bagunça nas cadeias de suprimentos, o setor energético vivência recordes de preços.

Em países como Reino Unido, Alemanha e França, o gás natural chega a subir 400%.

O petróleo, que iniciou o ano em $54 o barril, já chegou a $83, e ao que tudo indica pode chegar a $100 antes de as coisas se ajustarem.

É provável que tenhamos mais choques futuros no setor energético na medida em que mudemos a matriz global de energia, mas o cenário atual é o de um completo caos, o que se reflete no preço.

Da mesma maneira, a moeda brasileira segue em uma desvalorização desde o início da pandemia, em boa medida graças a dificuldade do congresso em aprovar reformas e mudar o ambiente de negócios.

O risco político pressiona o câmbio, que eleva o preço dos combustíveis, que é mudado pelo congresso que se recusa a aprovar medidas.

Trata-se de um cenário onde as mudanças estruturais são deixadas de lado em favor de medidas paliativas.

Não há uma solução fácil, claro. Neste momento a Europa negocia o gás natural em valores equivalentes $230 por barril, e a situação ainda deve demorar a se ajustar.

No curto prazo a medida pode retirar R$24 bilhões em arrecadação anual dos estados. É uma boa notícia, em especial considerando que no início da década passada, o custo de uma política similar recaiu sobre a Petrobras, de maneira escondida, com índices de inflação mascarados (ou fraudados propriamente).

Ainda assim, quando os preços se ajustarem, a nova regra do congresso deve impedir uma redução de preços, uma vez que irá considerar a média do barril de petróleo em meio a crise energética atual.

Se em 2021 os estados já arrecadaram em 8 meses o mesmo que nos 12 meses em 2020, nos anos seguintes é mais provável que mantenham a arrecadação no topo ao invés de diminuir junto do preço do barril.

Felippe Hermes

Comentar

Posts Recentes

Petrobras já vendeu R$250 bilhões em ativos. E o lucro só cresce.

Focando no seu negócio principal de produção e exploração, a estatal se desfez de inúmeros…

7 horas atrás

Como a Magalu foi de estrela da bolsa a -73% de queda no ano

Após uma alta superior a 30.000%, a Magalu agora enfrenta uma tempestade perfeita que derruba…

1 dia atrás

8 mitos sobre o governo Lula em que você sempre acreditou

Muito antes dos grampos da Operação Lava Jato exporem parte daquilo que o ex-presidente Lula…

3 dias atrás

Seu tio estava certo. Investir em terrenos é uma boa ideia, ao menos no Metaverso

Comprar um terreno em um ambiente virtual pode custar mais caro do que uma cobertura…

3 dias atrás

Carros voadores serão realidade já nas olimpíadas de 2024, em Paris

O evento mais assistido do planeta, as Olimpíadas, deve se tornar uma vitrine para exposição…

4 dias atrás

Com venda de refinaria da Petrobras, Brasil pôs fim a um monopólio de 69 anos

Pela primeira vez desde 1953, o setor privado passa a ter fatia relevante no refino…

4 dias atrás

Ao clicar em “Aceitar”, você concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site e ajudar em nossos esforços de marketing.

Política de Privacidade