Participe da
Comunidade Ícone Whatsapp
Blockchain

Como a Ripple foi do pioneirismo ao fracasso

Pioneira no mundo cripto, a Ripple Labs, empresa por trás da criptomoeda XRP, vem passando por um sinuoso processo contra a SEC.

Dentre todas as criptomoedas consolidadas no mercado digital, a XRP, moeda nativa do protocolo Ripple, talvez seja o ativo mais questionado entre toda a comunidade.

Entre diversas razões, constantes polêmicas circundam os nomes por trás do desenvolvimento dos protocolos.

Fundada por Ryan Fugger em meados de 2004, muito antes do surgimento do próprio Bitcoin e do conceito de blockchain, a Ripple estava muito longe da noção atual sobre criptomoedas.

Inicialmente seu nome era Ripplepay, e a ideia por trás da iniciativa era criar um protocolo que seria utilizado para resolver as necessidades de liquidez entre bancos.

Sem nenhuma tecnologia blockchain, a única coisa que aproximava a Ripplepay da noção atual de criptoativos descentralizados era a ausência de um agente centralizador para a realização das transações. 

Esse fator fez com que a Ripplepay atingisse uma relativa popularidade dentre a comunidade pré-histórica do Bitcoin, levando o protocolo a ser citado pelo próprio Satoshi Nakamoto.

Por anos a estrutura funcionou dessa forma, mas em 2012, Fugger vendeu a empresa para Jed McCaleb e Chris Larsen, que cofundaram a OpenCoin com base no código-fonte Ripplepay. 

Embarque em mais de 150 horas de conteúdo exclusivo sobre o universo das criptomoedas e blockchain na Plataforma BlockTrends.

Ao longo dos anos, a Ripple desenvolveu diferentes soluções para o setor bancário, incluindo xRapid e xVia, dando continuidade ao projeto que visava trazer avanços para o sistema bancário.



Comparado ao SWIFT tradicional, a rede é muito mais rápida, proporcionando um tempo de liquidação de 4 segundos, mesmo assim, sucessivos problemas internos e a rejeição exercida pela comunidade atrapalharam a ascensão da solução. 

Essencialmente, a XRP fere a noção descentralizada por trás de criptomoedas como o Bitcoin, pois há uma empresa centralizada por trás do controle e desenvolvimento do protocolo.

Mais grave do que isso, é a proporção do fornecimento total da XRP. Ao todo, a Ripple e seus dirigentes possuem 2 ⁄ 3 do suprimento total de 45 bilhões de XRP’s, evidenciando a centralização da rede.

Fatores como esse trazem uma reputação extremamente negativa dentro da comunidade para figuras como Chris Larsen, que é alvo constante de críticas por suas declarações e movimentos empresariais.

As críticas se estendem para órgãos governamentais, como a própria SEC, que em 2018 iniciou um processo contra a Ripple devido a vendas não registradas de tokens XRP.

Em dezembro de 2020 a agência reguladora abriu outro processo contra a empresa, esse por si alega que a Ripple arrecadou mais de $1,3 bilhão por meios ilegítimos, considerando os tokens como títulos não registrados.

A reclamação também responsabiliza Chris Larsen e Bradley Garlinghouse (atual CEO da Ripple), citando ganhos pessoais significativos no processo.

O decorrer do processo pode marcar a queda definitiva da Ripple, evidenciando a centralização e corrupção por trás da organização controladora da 6º maior criptomoeda que possui uma capitalização de mais de $34 bilhões.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de traders de criptomoedas. Acesse ByBit.com

Notícias relacionadas



Alguém lembrou de 50 centavos em BTC guardados em 2010. Agora valem US$3,3 milhões Por que o Bitcoin está caindo tanto nesta sexta-feira (12) Quanto valem as criptomoedas de Times Brasileiros Golpe faz investidores perderem R$1,3 milhão em 2 minutos em criptomoeda Criptomoeda ENA contraria Bitcoin e dispara 20% hoje