Categorias: Notícias

Com lucro de R$76 milhões, Nubank quer estrear na bolsa valendo R$500 bilhões

Nubank pode fazer o IPO ainda em outubro, com um valor improvável de $100 bilhões, o que lhe daria uma avaliação de mercado acima de Itaú e Bradesco somados.

Durante o tempo em que você está lendo este texto, por volta de 3 minutos, ao menos 90 pessoas terão aberto a sua conta no Nubank.

Em um dia, elas somam 40 mil, e no total do banco, já são 41 milhões de clientes, o que faz do Nubank o “banco” (com aspas mesmo), que mais rápido cresceu na história brasileira.

O cartão roxinho trouxe consigo uma febre pouco antes vista, de engajamento com uma marca.

Trata-se de um efeito curioso em um país historicamente desbancarizado. Temos por volta de 45 milhões de brasileiros sem acesso a uma conta bancária, e um longo histórico de empobrecimento da população ocasionado por essa exclusão financeira.

Entender o Nubank e seu efeito avassalador requer um entendimento sobre educação financeira no país.

O banco não patrocina o Brasileirão, não promove grandes campanhas publicitárias, e ainda assim, capta clientes como nenhum outro.

Um dos principais motivos, claro, é o “efeito de rede”. Clientes são o maior divulgador do Nu, que por sua vez foca seus recursos em atendimento e tecnologia.

Um recorte entre o Itaú, o bancão que mais investe em tecnologia, mostra que 16% dos seus funcionários trabalham na área, contra 25% do Nubank (o Itaú possui 97 mil funcionários, contra 2500 do Nubank).

Outros 6% dos funcionários do Itaú trabalham com a parte de “suporte” ao cliente. Já no Nubank, eles são 18%.

Uma métrica de mercado, chamada de “NPS”, que mede o nível de satisfação do cliente, coloca o Nubank em primeiro, em um ranking que vai de 0 a 100.

Este aqui é o quadro dos bancos brasileiros em “satisfação do cliente”

Nubank – 69.4

Banco Inter – 52.6

PagBank – 44.6

Itaú – 34.8

Bradesco – 27

Santander – 26.5

Banco do Brasil – 13.2

Infelizmente, porém, bancos não foram feitos para agradar os clientes, mas pra gerar dinheiro aos acionistas. E a pergunta sobre os motivos de o Nubank mirar um valor de mercado tão alto permanecem.

Ao contrário dos grandes bancos, o Nubank não oferece grandes inovações a primeira vista, mas isso pode mudar.

Muito se fala sobre a bolsa brasileira ter apenas 3 milhões de clientes, mas os grandes bancos possuem 80 milhões de clientes.

O que está errado nisso tudo? Provavelmente tudo. Os bancões não possuem incentivos relevantes para que seus clientes invistam. Não é o lugar onde está o lucro e há pouco o que explorar.

Veja, 80% do total investido por brasileiros está nos grandes bancos. Daquele CDB rendendo 98% da Selic ao valor mantido na poupança, quase tudo está nos grandes bancos, onde estão os piores retornos.

Explorar esse descaso é o que o Inter, BTG+, e Nubank tem feito, ou planejam fazer.

A plataforma de investimentos do Inter, por exemplo, possui 1,6 milhão de clientes, ou 13% do total de clientes do banco.

Aplicando a mesma média ao Nubank, teríamos algo como 6 milhões de investidores, o dobro do que possui a B3.

Para fazer isso, o Nubank precisa apostar naquilo que tem feito bem: simplificar o processo.

Ao contrário dos bancões, porém, o centro do universo de clientes do Nubank está na população mais jovem. Cerca de 80% deles possuem menos de 35 anos.

São os jovens que abrem conta e recebem R$50 em crédito, mas acabam sendo incluídos, na expectativa de que em 2-3-5 anos, se tornem clientes com maior potencial.

É uma aposta arriscada, mas que parece fazer sentido para o Nu.

De maneira simplificada, estes clientes estão se tornando consumidores de seguros, uma área careta e pouco explorada no Brasil. De fato, Warren Buffett, o maior investidor do século 20, colocou $500 milhões por 1,6% do Nubank por “se impressionar” com a rapidez com que os negócios em seguro de vida crescem.

Na prática, o Nubank possui hoje um valor de mercado de R$3000 por cliente.

Fontes afirmam que o banco espera buscar entre $75-100 bilhões, o que daria algo como R$12 mil por cliente. Um número absurdo, em especial quando cada cliente gera de receita R$200 por ano ao banco.

Os truques do Nubank são conhecidos.

O banco entrou em mercados como a Colômbia e o México, onde já em 2021 deve se tornar o 3º maior emissor de cartões do país.

A capacidade de replicar o modelo em outros lugares, é o que faz do Nubank uma startup promissora.

Seu valor de mercado pode soar absurdo, mas está em linha com outras, como a Stripe de Jack Dorsey.

Em 2020 a Stripe faturou R$38 Bilhões (contra R$3,5 bilhões do Nubank).

A velocidade de crescimento do Nu, porém, é o dobro. Neste ano o Nu deve faturar R$9 bilhões. E pela primeira vez apresentou lucro: modestos R$76 milhões no primeiro semestre.

É bastante improvável que o Nu consiga emplacar sua narrativa e ser avaliado em $100 bilhões. Um valor de $50-60 bilhões seria o mais provável, e ainda assim, já seria o suficiente para avaliar o Nubank em um valor similar ao do Itaú.

Pode soar absurdo, mas um caso chama atenção dos investidores.

Em 2017 o mesmo Itaú pagou R$6 bilhões por 49.9% da XP. Hoje, esse valor equivale a R$60 bilhões. A XP segue crescendo em captação e aumentando seu lucro em uma velocidade muito maior que a do próprio Itaú.

Em se tratando de valor de mercado de empresas do tipo, o que importa é a velocidade de crescimento e capacidade de execução. Neste aspecto, poucas startups possuem o valor do Nubank.

Felippe Hermes

Comentar

Posts Recentes

Petrobras já vendeu R$250 bilhões em ativos. E o lucro só cresce.

Focando no seu negócio principal de produção e exploração, a estatal se desfez de inúmeros…

6 horas atrás

Como a Magalu foi de estrela da bolsa a -73% de queda no ano

Após uma alta superior a 30.000%, a Magalu agora enfrenta uma tempestade perfeita que derruba…

1 dia atrás

8 mitos sobre o governo Lula em que você sempre acreditou

Muito antes dos grampos da Operação Lava Jato exporem parte daquilo que o ex-presidente Lula…

2 dias atrás

Seu tio estava certo. Investir em terrenos é uma boa ideia, ao menos no Metaverso

Comprar um terreno em um ambiente virtual pode custar mais caro do que uma cobertura…

3 dias atrás

Carros voadores serão realidade já nas olimpíadas de 2024, em Paris

O evento mais assistido do planeta, as Olimpíadas, deve se tornar uma vitrine para exposição…

3 dias atrás

Com venda de refinaria da Petrobras, Brasil pôs fim a um monopólio de 69 anos

Pela primeira vez desde 1953, o setor privado passa a ter fatia relevante no refino…

4 dias atrás

Ao clicar em “Aceitar”, você concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site e ajudar em nossos esforços de marketing.

Política de Privacidade