Categorias: Notícias

China deve construir um reator nuclear a cada 36 dias nos próximos 15 anos

Na busca por reduzir suas emissões de CO2, a China planeja construir mais reatores nucleares nos próximos 15 anos do que o resto do mundo construiu nos últimos 35.

Foi em 11 de dezembro de 2001 que a China, país com maior população do planeta, passou a integrar a “Organização Mundial do Comércio”, aumentando assim a sua presença na economia mundial.

A entrada na organização representou mais do que uma formalidade burocrática, mas um passo relevante para que o gigante asiático passasse a negociar acordos comerciais, uma prática fundamental para ampliar sua participação nas exportações e importações ao redor do planeta.

A despeito das brigas internas na OMC com países que não reconhecem a China como uma economia de mercado (ou em suma, não reconhecem que a China possua liberdade de preços na produção), o país cresceu em relevância como nenhum outro.

Hoje a China é o maior parceiro comercial de 120 países, incluindo Brasil, Estados Unidos e Europa.

Neste período, a economia chinesa saiu de 3,9% do PIB global para 17,4% de toda a riqueza produzida no mundo em 2020.

Junto do aumento exponencial de riqueza, que saiu de $974 para $10,3 mil por habitante (saindo de um PIB de $1,33 trilhão para $14,7 trilhões de dólares no período), o país também tomou a liderança em outro quesito: emissões de gases responsáveis pelo efeito estudo, como o CO2.

Se em 2001 a China emitia 3,81 bilhões de toneladas de CO2 por ano (10,67% do total global), em 2021 passou a emitir 10,43 bilhões de toneladas (7%), mais do que o dobro dos Estados Unidos (5,13 bilhões).

As emissões chinesas, porém, têm diminuído de ritmo. É importante ressaltar que cresceram abaixo do aumento do próprio PIB, apontando para um ganho nítido de produtividade.

Ainda assim, o país enfrenta um dilema crucial. Todos os anos, a China produz o equivalente a 6 vezes a produção americana de carvão.

Por séculos o carvão tem sido o maior responsável por emissões de CO2 na atmosfera. Sua capacidade de produção de energia é consideravelmente mais ineficiente que outras fontes, além do próprio custo.

Produzir 1kg de carvão produz irrisórios 3KW/h de energia. Na outra ponta, a energia nuclear desponta como a mais eficiente, com 1kg de urânio produzindo 6 milhões de KW/h.

E é justamente na energia nuclear que a China aposta para reduzir suas emissões. De acordo com os planos divulgados pelo governo chinês, as emissões de CO2 do país devem atingir um ápice em 2030, chegando a neutralidade entre emissões, captura e compensações, em 2060.

O plano chinês para a energia nuclear é ousado, como quase tudo que vem do país. Serão 150 reatores em 15 anos, uma média de 1 novo reator nuclear a cada 36 dias. O custo total? $440 bilhões.

Trata-se de um número superior ao total de reatores construídos no mundo nos últimos 35 anos.

Atualmente com 58 reatores, a China é responsável por uma demanda de 11 mil toneladas de urânio por ano, em uma produção equivalente a 63 mil. Com os novos reatores, a expectativa é de que o país vá demandar “extras”, um Cazaquistão e meio, visto que o maior produtor mundial extrai 22,7 mil toneladas anuais do mineral.

Os planos do governo chinês na área não chegam a ser únicos. A Finlândia, o primeiro do mundo a atingir a neutralidade em carbono (em 2035), também aposta na energia nuclear, por conta da estabilidade de preço e de fornecimento.

Ao contrário da energia solar, ou eólica, que também tem gerado interesse e investimentos na busca pela “descarbonização”, a energia nuclear possui oferta constante, independente da natureza.

Com novos investimentos em segurança resolvendo problemas de descarte do lixo radioativo, a Finlândia deve se tornar ao final desta década o país com maior parte de sua produção de energia vinda de fontes nucleares, ao lado da França.

Felippe Hermes

Comentar

Posts Recentes

Salário mínimo de 2022 terá a maior correção da história. Graças a inflação.

Desde abril deste ano o governo já alterou 3 vezes o salário mínimo de 2022,…

2 dias atrás

10 milhões de brasileiros investem em Cripto. E a maioria não faz ideia do que está fazendo.

Quinto país do mundo em número de investidores, Brasil ainda enfrenta problemas comuns de baixa…

4 dias atrás

Alguém pagou R$20 milhões por uma foto digital de uma pessoa se olhando no espelho

Após leiloar uma NFT por 250 ETH (R$20 milhões), dois brasileiros provaram mais uma vez…

4 dias atrás

Com gasolina custando R$3 o litro, Argentina limita compra por brasileiros

Com a perda de poder de compra do Peso argentino, brasileiros aproveitam preços baixos no…

4 dias atrás

Facebook deve pagar criadores de conteúdos como Reels

Facebook deve começar a remunerar criadores de conteúdo para competir com novas redes como TikTok.…

4 dias atrás

Com zero de impostos, El Salvador terá cidade baseada em Bitcoin

El Salvador deve ter cidade com 0 de impostos sobre a renda, além de emitir…

5 dias atrás

Ao clicar em “Aceitar”, você concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site e ajudar em nossos esforços de marketing.

Política de Privacidade