Notícias

China deve construir um reator nuclear a cada 36 dias nos próximos 15 anos

Na busca por reduzir suas emissões de CO2, a China planeja construir mais reatores nucleares nos próximos 15 anos do que o resto do mundo construiu nos últimos 35.

Foi em 11 de dezembro de 2001 que a China, país com maior população do planeta, passou a integrar a “Organização Mundial do Comércio”, aumentando assim a sua presença na economia mundial.

A entrada na organização representou mais do que uma formalidade burocrática, mas um passo relevante para que o gigante asiático passasse a negociar acordos comerciais, uma prática fundamental para ampliar sua participação nas exportações e importações ao redor do planeta.

A despeito das brigas internas na OMC com países que não reconhecem a China como uma economia de mercado (ou em suma, não reconhecem que a China possua liberdade de preços na produção), o país cresceu em relevância como nenhum outro.

Hoje a China é o maior parceiro comercial de 120 países, incluindo Brasil, Estados Unidos e Europa.

Neste período, a economia chinesa saiu de 3,9% do PIB global para 17,4% de toda a riqueza produzida no mundo em 2020.

Junto do aumento exponencial de riqueza, que saiu de $974 para $10,3 mil por habitante (saindo de um PIB de $1,33 trilhão para $14,7 trilhões de dólares no período), o país também tomou a liderança em outro quesito: emissões de gases responsáveis pelo efeito estudo, como o CO2.

Se em 2001 a China emitia 3,81 bilhões de toneladas de CO2 por ano (10,67% do total global), em 2021 passou a emitir 10,43 bilhões de toneladas (7%), mais do que o dobro dos Estados Unidos (5,13 bilhões).

As emissões chinesas, porém, têm diminuído de ritmo. É importante ressaltar que cresceram abaixo do aumento do próprio PIB, apontando para um ganho nítido de produtividade.

Ainda assim, o país enfrenta um dilema crucial. Todos os anos, a China produz o equivalente a 6 vezes a produção americana de carvão.

Por séculos o carvão tem sido o maior responsável por emissões de CO2 na atmosfera. Sua capacidade de produção de energia é consideravelmente mais ineficiente que outras fontes, além do próprio custo.

Produzir 1kg de carvão produz irrisórios 3KW/h de energia. Na outra ponta, a energia nuclear desponta como a mais eficiente, com 1kg de urânio produzindo 6 milhões de KW/h.

E é justamente na energia nuclear que a China aposta para reduzir suas emissões. De acordo com os planos divulgados pelo governo chinês, as emissões de CO2 do país devem atingir um ápice em 2030, chegando a neutralidade entre emissões, captura e compensações, em 2060.

O plano chinês para a energia nuclear é ousado, como quase tudo que vem do país. Serão 150 reatores em 15 anos, uma média de 1 novo reator nuclear a cada 36 dias. O custo total? $440 bilhões.

Trata-se de um número superior ao total de reatores construídos no mundo nos últimos 35 anos.

Atualmente com 58 reatores, a China é responsável por uma demanda de 11 mil toneladas de urânio por ano, em uma produção equivalente a 63 mil. Com os novos reatores, a expectativa é de que o país vá demandar “extras”, um Cazaquistão e meio, visto que o maior produtor mundial extrai 22,7 mil toneladas anuais do mineral.

Os planos do governo chinês na área não chegam a ser únicos. A Finlândia, o primeiro do mundo a atingir a neutralidade em carbono (em 2035), também aposta na energia nuclear, por conta da estabilidade de preço e de fornecimento.

Ao contrário da energia solar, ou eólica, que também tem gerado interesse e investimentos na busca pela “descarbonização”, a energia nuclear possui oferta constante, independente da natureza.

Com novos investimentos em segurança resolvendo problemas de descarte do lixo radioativo, a Finlândia deve se tornar ao final desta década o país com maior parte de sua produção de energia vinda de fontes nucleares, ao lado da França.

Quer aprender a investir em criptoativos na bolsa, de forma prática e inteligente? Nós preparamos um curso gratuito com o passo a passo. Clique aqui para acessar.
Conheça as 6 moedas que permanecem no Top 20 das maiores criptos desde 2017 Em um mês Nubank perde um terço do valor de mercado Como dois brasileiros de 22 anos fizeram uma empresa de R$78 bilhões Microsoft compra Blizzard na maior aquisição de sua história Alguém encontrou um Bitcoin minerando sozinho em casa